Available in:

Ilhas Salomão – Ligar locais, pessoas e produtos: autonomizar mulheres para a liderança

O programa do QIR nas Ilhas Salomão está não só a contribuir para moldar a identidade de marca do país enquanto destino distinto para visitantes na região do Pacífico, mas também a redinamizar os esforços do Governo para criar um desenvolvimento sustentável ao incentivar as mulheres a participarem no setor do turismo.

 

Nas Ilhas Salomão, as mulheres que se aventuram nos negócios enfrentam uma tarefa intimidativa numa cultura em que as mulheres são consideradas inferiores aos homens. No entanto, estas fronteiras invisíveis estão a ser gradualmente quebradas à medida que as mulheres dão um passo em frente e assumem o desafio de criar e gerir as suas próprias empresas. O QIR tem ajudado a autonomizar as mulheres empresárias através da concessão de quatro subvenções de 100.000 SBD (aproximadamente 13.000 dólares) cada uma a empresários inovadores na área do ecoturismo, três dos quais são mulheres. Estas mulheres estão a trabalhar com organizações de base envolvidas tanto na gama inferior da cadeia de valor do turismo (produzir para hotéis e companhias aéreas) como na gama superior (vender artesanato a turistas).

 

Através do envolvimento e da participação da comunidade, estas três mulheres operadoras turísticas (Dolphin View Beach Accommodation em Aruligo, North West Guadalcanal; Milkfish Bay Flash packers em Marau Sound, East Guadalcanal; e Isaisao Eco Lodge em Kia, província de Isabel) aventuraram-se na construção de bungalows ecológicos para proporcionar aos visitantes um “gostinho” do que as ilhas têm para oferecer. A fim de preservar e proteger o ambiente original, construíram os bungalows com materiais locais e sustentáveis.

 

Estão a ser criados postos de trabalho tanto para homens como para mulheres através de excursões nas aldeias, atividades aquáticas (incluindo snorkelling e canoagem), que atraem visitantes topo de gama, e ainda eventos culturais, fogueiras e taregas como trepar a coqueiros e descascar cocos. As mulheres são empregadas para trabalhar nos complexos turísticos e na restauração e estão a ser incentivadas a cultivar mais produtos agrícolas para abastecer os complexos turísticos de alimentos orgânicos. Além disso, através das excursões nas aldeias e do estabelecimento do Centro Cultural Touo, foram criadas oportunidades para preservar os conhecimentos tradicionais, transmitindo a informação cultural para a geração mais jovem, ao mesmo tempo que a herança, cultura e identidade do país são apresentadas ao mundo.

 

Ao ligar locais, pessoas e produtos, esta abordagem responsável ao turismo para atrair visitantes topo de gama através de produtos turísticos de qualidade também envolveu esforços de melhoria da prestação de serviços e das instalações. Além das subvenções, os operadores turísticos locais e as mulheres das comunidades beneficiaram da formação sobre hotelaria e culinária fornecida pelo Ministério da Cultura e do Turismo. Através do projeto, o Instituto do Turismo alojado na Universidade das Ilhas Salomão recebeu também uma subvenção de 747.807 SDB para ajudar a formar alunos no sentido de virem a trabalhar no setor da hotelaria, bem como para rever os cursos de turismo que o Instituto oferece a fim de assegurar que a formação está alinhada com as necessidades do setor. O projeto também facilitou a identificação de toda a cadeia de valor do turismo e disponibilizou-a online, pela primeira vez, enquanto ferramenta de marketing e de investigação. Desta forma será mais fácil ligar os vendedores aos consumidores online, incluindo mulheres nas zonas rurais.

 

Estão em curso planos para estabelecer centros de artesanato, o que permitirá que os membros da comunidade, especialmente os tecelões e os artesãos de madeira, que não dispõem de lugares no mercado, exibam os produtos que têm para venda aos visitantes e ao público. 

 

Oferecendo e promovendo experiências únicas aos visitantes topo de gama, o projeto do turismo procura ajudar a impulsionar o futuro crescimento económico inclusivo e contribuir para a redução da pobreza nas Ilhas Salomão. As ligações à agricultura, às pescas e ao artesanato foram reforçadas a fim de promover as cadeias de valor locais e fornecer uma fonte de subsistência às mulheres e aos jovens, em especial nas comunidades rurais.

 

“Este financiamento não só me beneficiou a mim como também às mulheres da minha comunidade que me ajudam na limpeza e noutras tarefas do complexo turístico”. Sra. Emele Aike, Diretora, Milkfish Bay Flash packers.